sexta-feira, 21 de maio de 2010

Mas é claro que o sol vai voltar.

Talvez o melhor fosse esquecer.
Então ela pegou sua bolsa e colocou algumas coisas dentro,algum dinheiro no bolso e os fones no ouvido e saiu pela cidade.Não sabia pra onde ía, somente andava.Despreocupada.
Olhava o céu levemente escuro e tentava não pensar em nada; nada que fosse ruim; nada que a deixasse triste; mas só por tentar não pensar, acabava pensando.
Chutava as pedras da rua destraidamente, talvez fosse seu inconsciente que realmente queria chutar algo; por aquela raiva pra fora, a aflição.As coisas não davam certo nunca, será que um dia tudo se acertaria? Será que a sorte viria ao seu encontro? Ela nada podia fazer mais, apenas continuar andando sem rumo, sem destino, acompanhada somente pela música.
Mas a música não ajudava.Naquele momento parecia que todas aquelas canções em seu MP3 eram feitas para ela.Exceto pelo final, nas músicas, ele era feliz.
Como o final dela podia ser feliz? Estava sozinha, o dia estava frio e todos os carros ou pessoas que passavam sequer a novatam ali; triste.
Não importava o quando ela fizesse, tentasse, lutasse ou amasse; o valor que ela esperava não vinha.Ninguém se importava com as tentativas,fracassos e tombos que ela levava para tentar ser melhor; ninguém retribuia aquele sentimento intenso se querer ser melhor, ver os outros felizes e ser feliz que explodia em seu peito.
Ninguém a entendia.
Por mais que ela explicasse ou ao menos tentasse, dissesse e gritasse; berrasse e esperneasse; ainda continuavam sem entender. Entender que tanto choro era mais que simples carência; era necessitade de ser notada! Necessitade de se sentir indispensável, de saber que alguém a esperava, a compreendia; saber que alguém sempre estaria ali.
Já era noite e ela não sabia bem aonde estava, mas não importava.
A rua era grande e bem iluminada, não havia perigo ali.Na direita um supermercado e em sua frente estacionado, um carro com um casal de velhinhos entrando; ela sorriu. Era bonito ver aquela cena,mesmo com os tantos anos juntos que deviam possuir, ele ainda abria a porta do carro para ela e lhe dava a mão de apoio para que a Senhora entrasse.
Por alguns segundos ela desejou ser aquela idosa, saber o que ela sentia.O que era ser realmente amada.
O pensamento passou rápido e a garota continuou a andar.Mais a frente havia um barzinho com alguns universitários.Decidiu então entrar e se sentou ao galpão.A sua direita, em três mesas juntas, uma turma sorria e conversava feliz.Pareciam amigos de vários anos, talvez, amigos de infância.Alegres, risonhos, despreocupados.
A bateria do seu MP3 estava quase acabando e ela ainda tinha que voltar para casa.Tomou um refrigerante e saiu, agora possuindo um rumo,ainda que indesejado.
Dessa vez não tentou esquecer seus pensamentos, ao contrário, forçava-se a lembrar seus erros e acertos, a examinar os motivos que a levaram caminhar sozinha pela noite escura.
Se sentia estranha.
Parecia que seu interior estava vazio, e não era fome. Era uma angustia que a deixava mal, mas mesmo assim, ela não se deixava abater.
Talvez ela estivesse errada mesmo, exigindo demais das pessoas.Mais do que elas podiam lhe dar.Talvez ela também fosse muito possessiva, e nervosa.Ou ainda, ela fosse anormal.Somente se culpar não era certo, e também, nada adiantaria.Tudo continuaria do mesmo modo.
Foi quando ela parou nesse pensamento; e se não mudasse ? Se fosse sempre aquilo?
Coincidência ou destino,não sabia ela qual dos dois, nesse momento começava outra música em seus fones:
'Mas é claro que o sol vai voltar amanhã, mas uma vez eu sei.Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã, espera que o sol já vem.Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem, ou que seus planos nunca vão dar certo, ou que você nunca vai ser alguém.Tem gente que machuca os outros, tem gente que não sabe amar, mas eu sei que um dia a gente aprende.Se você quiser alguém em quem confiar, confie em si mesmo.Quem acredita sempre alcança...'
Era aquele tapa na cara que ela precisava.
O que ela estava fazendo? Deixando os outros decidirem como ela se sentiria? Não, não deixaria isso acontecer. Ela era melhor que aquilo tudo.E de algum modo, ela sabia que o sol realmente voltaria.
A vida dela havia sido assim por muito tempo: noites escuras alternadas com dias ensolarados. Talvez aquele fosse só um pequeno eclipse antes de outro dia de verão; as coisas iriam melhorar.Ela era forte. Forte o bastante para esperar dia após dia que pessoas aparecessem e merecessem tudo o que ela estava disposta a dar, e que também fizessem o mesmo.
Outro estalo lhe passou a cabeça; talvez aqueles velinhos tivessem se conhecido aos cinquenta anos.Talvez aqueles amigos haviam se conhecido na faculdade ou algo do tipo, talvez ela só precisasse de paciência.
Paciência para saber que não se conhece as melhores pessoas quando quer, elas simplesmente aparecem na nossa vida quando paramos de procurar desperadamente. Paciência para cobrar menos, exigir menos, pressionar menos.
O sol voltaria, isso era uma certeza.
Voltou para a casa cantando uma unica música.



Iza Costa

6 comentários:

Francine disse...

Incrivel! Texto lindo! Nao sei explicar mas eh como se o texto me descrevesse. Bom saber q ha mais gente com os mesmos sentimentos e eh bom compartilhar essa sensacao e saber que ha esperanca, solucao. Bjos, Fran

Heleena =D disse...

adoro quando tenho a sensação de encontro dos meus sentimentos, com os de outras pessoas. já faz tempinho que acompanho o teu blog, e acho admirável como tu consegue fazer das tuas palavras um conforto para mim, mesmo sem me conhecer, mesmo sem conhecer tantas outras pessoas que se identificam. poucos conseguem tocar tão fundo. parabéns, não só pelos textos, mas pela persistência, e por não se deixar levar pelo que 'os outros' acham. são exemplos assim que eu tento seguir. beijos, e se possível olha o meu blog www.detuudoumpouco.blogspot.com

Naiara disse...

Esse texto esta simplesmente incrivél ameý vc coloko em palavras oq muitas pessoas só conseguem sentir ...
Seus textos são maravilhosos ...
Eu postei elle no meu blog ok ? Sii vc nun se importa é claro ...
http://frases-naiablog.blogspot.com/
Bjinhus

brunabergamini disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Camila! disse...

Ficou muito legal mesmo!

Anônimo disse...

www.we-likeit.blospot.com

Postar um comentário