sexta-feira, 16 de abril de 2010

O espelho.


Pela primeira vez hoje ao acordar e me olhar no espelho não me reconheci.
Quem era aquela estranha de olhos e rostos inchados de tanto chorar? Foi a unica coisa que consegui pensar naquele momento.A imagem refletida não era a da garota forte, determinada e feliz que eu costumava ver todas as manhãs.
Havia passado outra noite sem dormir, outra noite chorando por você.
E você? O que estaria fazendo agora enquanto eu tentava me achar naquele reflexo? Ou melhor, o que você acharia se estivesse ali onde agora estava meu espelho? A resposta me veio imediata, com toda certeza a unica coisa que você diria seria 'Pobre garotinha tola!' .
Balancei a cabeça negativamente em resposta ao você invisivel ali.
Me olhei novamente. O que eu estava fazendo comigo mesma chorando por alguém que pouco se importava comigo? O que eu esperava daquela situação toda? Que ele voltasse por pena? Não, pena era demais pra mim.
Fechei os olhos, eles doíam não de outra noite mal dormida, não de tanto choro, doíam porque estavam vendo mais do que aquela imagem irreconhecivel no espelho.Viam o desespero de dentro, viam os batimentos fracos que meu coração dava, viam que eu não era mais a mesma.
'Pobre garotinha tola!' ouvi novamente em minha cabeça aquela voz que continha um misto de deboche e pena, que me fez sentir um forte embrulho no estômago.Não, o embrulho devia ser porque mal comia nos ultimos dias, talvez um pacotinho de bolacha salgada e um copo de coca-cola e só.Então vi um sorriso no canto de meus lábios, pelo menos pra isso aquele canalha estava servindo, para me fazer emagrecer.Ri novamente do pensamento inconveniente.
Aquele sorriso que apareceu tão levemente me fez lembrar do porque você havia se apaixonado por mim um tempo atrás: eu era feliz, e por ser feliz, eu trazia felicidade a muitos, e eu vivia, aproveitava a vida sem medo, as vezes caindo mas me levantando de cabeça erguida sempre.
Eu nunca havia caido de joelhos e implorado nada à ninguém, porque diabos eu iria fazer isso agora? Eu tinha tantas coisas a mais,tantas coisas pra fazer,pra sonhar, pra construir e viver. Por que eu me deixaria abater por alguém como você?
Não, eu não iria mais chorar.
Não por alguém que nunca chorou por mim, não por alguém que estava feliz com outra e nem sequer devia lembrar que eu estava ali.Não por um idiota que não sou me dar valor, não soube ver todo o meu potencial.E definitivamente, não por alguém que disse que me amava e segundos depois me deu as costas e se foi.Aliás, eu não choraria por mais ninguém porque chorar é dar armas para o inimigo.
Deixei a água molhar meu rosto para me despertar daquele pesadelo.
Olhei-me de novo no espelho: as olheiras ainda estavam lá, mas o coração havia acelerado e eu podia senti-lo bater forte.
Forte como eu voltaria a ser a partir daquele momento, forte como eu manteria minha palavra de te esquecer,forte como eu seria ao te ver passar com outra e sorrir para mostrar que não precisava de você para ser feliz, mesmo que por dentro eu ainda sentisse que iria desmoronar.
Dar à você o gostinho de me ver por baixo não estava nos meus planos.
Sequei meu rosto ainda inchado e sorri, meu regime forçado acabava por ali.
Minha abstinência de felicidade por você também.

Iza Costa

3 comentários:

Rayra disse...

excelente como sempre *o*

Anônimo disse...

Eu sou do RN mas queria lhe parabenizar por esses textos vc simplesmente sabe escrever muito. E por ultimo queria lhe agradeçer por me ajudar a passar por um fim de namoro com um menino q eu amo mas nao sente o mesmo por mim. Obrigada por me ajudar e entender, bjus carol

Eryka disse...

perfeito,parabéns!

Postar um comentário